Arquivo para o turno da noite

Evento: O turno da noite no cinema!

Posted in audiovisual, eventos, literatura nacional, seriado!, trabalhar com cinema, vampiros with tags , , , , , , , , , , , on 11/21/2011 by André Vianco

Banner do seriado "O turno da noite".

Banner do seriado "O turno da noite" com Milton Levi, Leo Rebelo, Tuti Muller, Mauricio Bettini e Rafael Dourado

Olá!

Conforme prometido, vim aqui deixar avisado que dia 6 de dezembro vai acontecer a primeira exibição do episódio piloto de “O turno da noite – episódio 1” em sala de cinema aqui em SP. O pessoal aqui da Criamundos organizou uma noite especial para toda a galera da produção e é claro que daremos também alguns ingressos para os leitores que acompanharam essa empreitada pelo blog do Vianco. A forma de concorrer ao ingresso será postada aqui no blog nos próximos dias.
Agora, quem não é de São Paulo -SP, não precisa ficar de bico, não. A Criamundos é muito democrática e poucos dias após a exibição aqui em SP o episódio será postado na web.

Para ir esquentando os motores assistam o teaser e o trailer:

trailer

*
*
*

teaser

Vídeo da Bienal do Rio de Janeiro.

Posted in a vida como ela é, audiovisual, eventos, literatura brasileira, literatura fantástica, literatura nacional, Uncategorized with tags , , , , , , , on 09/20/2011 by André Vianco

Abaixo assista o vídeo da minha ida a Bienal do Rio de Janeiro em 2011. Fui em ótima companhia, da esposa Marisa, da cineasta Liz Marins (Liz Vamp) e da escritora Cris Lasaitis, todas amigas e divertidas. Seguimos pela Dutra até o trevo de Barra Mansa onde peguei a estrada de Lídice, fazendo o caminho final pela Rio-Santos. Bem, as mulheres enjoaram um bocado nas curvas da serra e que me obrigou a fazer duzentas paradas, mas tudo bem né, afinal de contas a paisagem da Rio-Santos compensa qualquer parada… e viagem boa é assim, feita com tempo para apreciar a vista e as peculiaridades do caminho.

O Rio de Janeiro e sua bienal 2011

Posted in eventos, literatura brasileira, literatura fantástica, literatura nacional with tags , , , , , , , , on 09/09/2011 by André Vianco

Esse ano tive o enorme prazer de participar mais uma vez (deve ser minha quarta vez já!) da Bienal do Rio de Janeiro.
Bienal é sempre um prazer para os escritores que estão de bem com a vida, hehehe, é hora de reencontrar os amigos livreiros, os amigos leitores, toda sorte de amigos, passear um bocado e sair para os botecos.
Cheguei no Rio na sexta-feira, em ótima companhia, diga-se de passagem, trazendo comigo minha esposa Marisa, Liz Marins e a Cris Lasaitis. Saimos de madruga daqui de Osasco, dei um pulinho no Paraíso e no Tatuapé para apanhar as amigas e cinco da matina já estávamos a caminho da capital fluminense.
No meio do percurso decidi ir pela Rio-Santos, descendo a serra de Lídice, desembocando em Angra dos Reis para que o trio de mulheres (que enjoou nas curvas da Rio-Santos, obrigando a uma dúzia de paradas, hehehe) conhecesse o trecho entre Angra, Mangaratiba e Rio. Lugar bonito.

Chegando ao hotel no Recreio, reservado pela Novo Século, eu e a Má descansamos um pouquinho e logo partimos para o Rio-Centro, que de Centro não tem nada! #failname ! O bom de estar no Recreio dos Bandeirantes é isso, pelo menos cheguei em dez minutos ao destino.

Conversei com um bocado de leitores e autografei um tantão de livros no stand da Novo Século naquela sexta-feira. Os leitores que estiveram por lá puderam assistir o episódio piloto do seriado “O turno da noite” na íntegra. Ouvi uns gritinhos quando a Calíope entrou em cena. Se no livro ela já arrasava corações, no seriado televisivo deve cativar uma legião de fãs ainda maior.

Vi pela primeira vez, ao vivo, as capas novas da coleção vampiresca de Os Sete e do mundo de Bento. Com a saga de Bento uma peculiaridade, os nomes dos livros foram alterados. Sugeri isso conversando com meu editor (Luiz Vasconcelos) porque recebo muitos mails de leitores que começam a ler a saga a partir de Vampiro-Rei 1 por desconhecer o início em Bento (putz, agora pouco tirei sarro do failname do Rio-Centro e cá estou eu arrumando uma cagada minha, tsc tsc). Erro mais do que justificado. Para orientar o leitor agora os livros passam a fazer parte da saga Vampiro-Rei, tendo o livro 1 o nome de Bento, o livro 2 o nome “A bruxa Teresa” e o livro 3 o nome “Cantarzo”. Todo esse rocambole aconteceu porque, como conto em meus encontros com leitores, quando comecei a escrever “Bento” fui dominado por um processo totalmente instintivo, sem roteiro, sem saber onde aquilo tudo ia acabar, e não acabou, continuou em mais páginas e páginas de aventuras com o surgimento da figura do “vampiro-rei”.

Essa desorientação com meus títulos me faz lembrar uma passagem pitoresca ocorrida poucas semanas atrás. Uma leitora que tinha todos os meus livros me mandou um mail pedindo que eu explicasse a ordem de leitura de TODOS os livros. Queria minúcias sobre essa ordem, porque ela estava indignada porque ninguém sabia, quando ela BAIXOU os arquivos pdf piratas ela não encontrou nenhuma orientação. hehehehe. Que responder para uma criatura com uma cara de pau dessas???? Procura no Google, né. hehehehe. Bem, eu realmente não fico indignado quando dizem que baixaram meus livros no site trambiqueiro do PDL, mas achei engraçado a pessoa vir pedir orientação para mim. Até que faz sentido, se pode ir direto a fonte, por que não fazê-lo? ^^ A sorte que tenho, por enquanto, é que meus livros são longos e os PDF´s do PDL acabam divulgando a obra, porque é um saco ler mais de 300 páginas num monitor. Sei que o futuro do livro é digital, a internet não vai mudar o mundo do livro, já mudou, mas creio que o livro eletrônico tem que ser mais que simplesmente um arquivo de texto.

Voltando aos rolês da Bienal, na sexta-feira ainda tivemos pique para o cocktail organizado pela Bienal do Livro no Parque Lage. Cara, que lugar! Muito lindo aquele palacete. A festa estava boa e ficou melhor com a presença de grandes amigos do mercado livreiro, como Luiz e Nilda Vasconcelos, Max Mallman, Eugênia (Rocco), Thalita Rebouças e Cal, o Paulo Rocco e seu filho também estavam lá, dei oi para Janda e mais um bocado de gente. A Marisa levou o carro de volta ao hotel porque minhas funções automobilísticas estavam inoperantes. Mais do que bom senso é dever de um bom manguaça entregar a chave para alguém em bom estado. E no Rio as blitz da Lei Seca não perdoam, é uma por esquina.

No sábado foi o dia do encontro com leitores no stand da Rocco. Sábado o Rio-Centro estava coalhado de gente, público digno de uma bienal, com direito a fila para estacionar e demora na bilheteria. É, eu esqueci meu livro no carro e tive que comprar um ingresso pra mim (12 reais mais pobre) e segui para o stand. A Thalita Rebouças ainda estava lá autografando sua fila interminável de fãs, coisa linda de se ver. Meus leitores também fizeram uma fila formidável, compareceram em peso, e passei duas horas tratando dos livros de todos que estiveram lá, com o maior prazer.

Fazendo O turno da noite

Posted in audiovisual, literatura nacional, novidades!, seriado!, trabalhar com cinema, vampiros with tags , , , , , on 07/27/2011 by André Vianco

Bem, a pós-produção do primeiro episódio de “O turno da noite” vem chegando na reta final. Demorou quase um ano para a pós ir chegando aos finalmentes e isso não quer dizer que cada episódio feito demore a mesma coisa. Como disse lá no começo, conceber um piloto é algo parecido como talhar uma forma para ser repetida depois. Com a receita pronta o andar da carruagem fica um bocado mais ágil e, também como disse antes, esse episódio piloto está sendo feito de forma independente, ou seja, o autor que vos escreve é quem está bancando essa aventura. Com investidores a coisa fica mais rápida, muito mais rápida. ^^

Veja ai logo abaixo um vídeo preparado pela Seven, a empresa que faz os efeitos visuais e a pós, mostrando os efeitos empregados na feitura do teaser de “O turno da noite – episódio piloto”. Vou colocar primeiro o teaser e depois o breakdown.

abraços.

André Vianco

O turno da noite e Parada de Taipas.

Posted in audiovisual, seriado!, trabalhar com cinema, vampiros with tags , , , , , , on 11/13/2010 by André Vianco

Eu sei que vocês estão roendo as unhas, mas acreditem, eu também estou. A fase da pós-produção é bem demorada. Toda a equipe do seriado “O turno da noite” está ansiosa para exibir o piloto e mais pirada ainda para entrar no set de filmagens para produzir o segundo episódio. Mas ai vamos depender de uma TV para veicular o seriado e bancar essa loucura que é produzir terror e fantasia para o audiovisual brasileiro.

Fora “O turno da noite” a vida segue seu curso, e segue bem. Esses dias passei pela biblioteca Érico Veríssimo em Parada de Taipas e lá conheci muitos leitores e frequentadores da biblioteca. Conversei com a turminha um bocado, fiquei contente com as perguntas interessantes que lançaram e falei um bocado da minha obra, minha carreira e sobre a transformação do livro O turno da noite em seriado. É, não tem jeito, onde quer que eu vá o seriado me persegue. hahhaha.

A editora Rocco já estipulou a data do lançamento do “O caso Laura”, como agora no final do ano a coisa ia ficar corrida, decidiram lançar a nova obra em março de 2011. Não chorem, falta pouco.

Vou deixar vcs com uma palhinha do making of, apresentado pela impagável Camila Guerreiro, outra que já perdeu as unhas faz tempo.

abraços.

André

Eles estão chegando 2

Posted in a vida como ela é, audiovisual, eventos, literatura nacional, seriado!, trabalhar com cinema, vampiros with tags , , , , , , on 10/19/2010 by André Vianco

Olá! Sábado passado segui de São Paulo a Teresina para a 11ª Feira do HQ da capital do Piauí. Lá fui muito bem recebido pelo professor Mario David, o quadrinista Bernardo e toda a equipe do evento. Logo de cara, no primeiro dia, fui brindado com uma apresentação de live action baseada no livro “Os sete”. Duplamente interessante para mim, que sou pai das crias e pelo fato de nunca ter assistido ou visto um live antes.

Domingo fiz um bate-papo com os leitores de Teresina, que apareceram em boa quantidade. Fiquei contente com a cordialidade dos leitores e a participação de todos. Mais tarde, às 11h30 da manhã aconteceu uma mesa-redonda com Mario David, Aristides Oliveira, Bernardo e eu. Falamos sobre a cultura do terror na literatura, no cinema e nos quadrinhos. No final do dia ministrei uma breve oficina de roteiro de HQ, me despedindo do evento.

O calor de Teresina é um capítulo a parte. Não tive nenhum ataque de “pilora”, graças aos céus, e junto com os organizadores do live action e da feira de HQ fui conhecer “O casarão”, um restaurante muito simpático, cheio de pedidinhas certeiras com seus pratos variados de comída típica piauiense. Vale o passeio.
Outro restaurante que descobri mais tarde com a dona Marisa foi o “Coco Bambu”. Dai fica a pergunta, pq não tem um Coco Bambu em SP? A comida é uma delícia, as bebidas bem feitas e com gostinho de desce outra e as sobremesas um espetáculo. Comi uma torta de banana que não erro em afirmar que foi a torta mais gostosa que já comi na vida.

A única coisa que sentimos falta no passeio, onde estive acompanhado pela minha esposa, foram de pontos turísticos para visitar na capital. É claro que passamos pela casa do Mestre Dezinho no centro da cidade, onde apreciamos o artesanato local e os doces e bebidas da região, mas faltou lugares para visitar.

Central de Artesanato Mestre Dezinho

Todo lugar mais bacana e com estrutura para o turista ficava a coisa de mais de 130km de distância, como Castelo do Piauí, Piripir, Sete Cidades, Cachoeira do Urubu. O litoral piauiense somava uma distância de 343 km de ida, uma distância razoável, mas impraticável para um bate volta. Dai que fomos então até a Localiza ao lado do aeroporto e alugamos um carro, um Novo Uno zeradinho, e pegamos a estrada. Os 340 km percorridos de ida e volta da BR 343 (e um pedacinho da BR 222) revelou um Piauí bem diferente do que eu esperava, com vegetação vasta e paisagens pitorescas que não combinavam com o sertão que tinha pré-concebido na mente. Tomamos rumo do Parque Nacional Sete Cidades, recheado de formaçãos rochosas milenares, pinturas rupestres e quetais. A rodovia, apesar da desvantagem da pista de vai e vém, é bem conservada, o limite de 80km por hora foi uma surpresa ruim, mas nem por isso deixei de me divertir com o Uninho. Gostei um bocado da relação de marchas e o modelo mil rendeu bem, com baixo consumo e uma pegada boa para um mil nas ultrapassagens. O senão ficou no porta malas do bichinho que, praticamente, desapareceu. Cheguei ao parque Sete Cidades faltando uma hora para ele fechar : ( fail… vi pouca coisa e sem guia. Tai um bom lugar para voltar. Em contrapartida tive tempo de visitar o que pode vir a ser meu novo hobbie, catalogar pequenos cemitérios sertanejos perdidos nos vilarejos desse brasilzão.

cemitério nos arredores de 7 cidades

Mas como bem sei que vcs pouco estão ligando para as minhas peripécias turismo aventurescas, vamos o que interessa. Uma nova foto de um personagem de O turno da noite.

Da um ligo no Bruno.

Vampiro Bruno

O Bruno será interpretado pelo ator Rafael Dourado.

Voltei para São Paulo na madrugada dessa terça-feira e, logo depois de um cochilo preguiçoso, voltei pro escritório para dar andamento no mundo de “O turno da noite”. Fazendo aqui de tudo para que vcs possam apreciar essa novidade na íntegra o quanto antes.

abraços.

André Vianco

Eles estão chegando.

Posted in audiovisual, literatura brasileira, literatura fantástica, literatura nacional, novidades!, seriado!, trabalhar com cinema, vampiros with tags , , , , , , on 10/11/2010 by André Vianco

Como ando em ritmo acelerado não está me sobrando muito tempo para alimentar o blog, mas não pense vcs que “O turno da noite” está estacionado. É que, como disse em post anterior, estamos na fase da pós-produção, fazendo a edição do seriado, deixando a equipe de finalização trabalhar.

Dimitri

Mas, como sei que vcs não se aguentam de curiosidade, de vez em quando venho aqui dar um aperitivo. Hoje posto a fotografia do grande Dimitri, matador de alguel e caçador de vampiros na horas vagas. Se tudo der certo esta semana também postarei aqui o prometido teaser do qual Dimitri é o protagonista.

Estou trabalhando diariamente na revisão do livro “O caso Laura”, que sai este ano ainda, e, nãos horas que me restam, supervisionando a primeira edição do episódio piloto pessoalmente. O que posso adiantar é que tanto o livro, quanto o seriado, estão ficando promissores. Logo mais posto novidades aqui.
Abraços.

André Vianco.